14. Fev, 2016

 Fonte: http://www.amoahistoriadesalvador.com/

Com os nossos Foto-Debates estamos dando a nossa contribuição neste sentido. O último deles, sobre o Rio das Pedras, no Imbuí, mesmo realizado no último dia de Carnaval, teve mais de 8.600 visualizações, 1100 cliques na publicação, 87 compartilhamentos e dezenas de comentários interessantes e ricos de informação. Tudo isso num só dia.

Parabéns a todos vocês, fãs da Amo a História de Salvador. Todas as opiniões são e sempre serão muito bem-vindas.

Saibam que a Amo a História de Salvador é muito mais do que uma página de fotos antigas.

 

Queremos desenvolver aqui um espaço de conscientização coletiva com discussões sérias sobre a nossa cidade. Refletir e trocar ideias sobre Salvador é muito importante para a ativação do maior poder que temos nas mãos: a opinião pública. O segundo passo, depois desse, é sentir surgir um sentimento de indignação com tudo o que já foi destruído e tudo o que segue sendo destruído.

Queremos estimular o amor por Salvador mas também ampliar a consciência histórica e ambiental, estimular a responsabilidade social e despertar o sentimento de pertencimento: nós somos Salvador. A nossa cidade não pertence a nenhum político, partido, empresário ou grupo econômico.

Precisamos amadurecer coletivamente para defender a cidade todo dia, em toda oportunidade, em todo lugar. Sem violência, mas com firmeza. Sem radicalismos, mas com diálogo sério. Sem imediatismo, buscando sempre a melhor solução e não a mais rápida porque esta normalmente atende a interesses outros que não os da população e os da cidade.

Tenho visto bons sinais de despertamento da ação cidadã em Salvador e isso me alegra muito. Vejo o pessoal da Feira da Cidade realizando um movimento muito criativo que nos devolve o contato com o espaço público. Vejo o grupo Canteiros Coletivos, de Débora Didonê, realizando um bonito trabalho de recuperação de áreas verdes da cidade com a força de muitos voluntários e das comunidades locais. Vejo o Seja Semente de Marília Pires e Simone Pires, com apoio de muitos voluntários, auxiliando instituições sociais o ano inteiro e realizando o Plante Amor no final do ano, quando distribuem gentileza e espalham amor com flores e bonitas palavras que sugerem novas atitudes, novos comportamentos individuais que podem mudar muito o contexto coletivo.

Que muitos outros movimentos assim surjam, cresçam, se multipliquem. E quem sabe um dia, todos se unam num grande movimento espontâneo por uma Salvador melhor.
Nos sentimos parte disso. Venham com a gente nesta grande viagem.

Louti Bahia

http://www.amoahistoriadesalvador.com/a-sociedade-tem-uma-imensa-forca-transformadora-que-precisa-ser-despertada/